segunda-feira, 5 de maio de 2008

Nayôda é isso aí!

“- Tio, posso conversar com o senhor?
- Claro, fale!
- To afim de voltar pra igreja que o senhor é pastor, como eu posso agendar uma entrevista ou discussão com os líderes da igreja?
- Meu filho, creio que isso não seja possível.
- Mas por quê?
- Você não se encaixa nos padrões desta igreja.
- Desde quando igreja precisa ter padrões para aceitar seus fiéis?
- Digo, você, como jovem, não faz parte do mesmo tipo de jovens que esta igreja possui.
- Quer dizer que eu sou o mundo e os jovens da sua igreja são o céu?
- Mais ou menos isso.
- Então lhe proponho um desafio. Permita que eu entre na “sua igreja”, permita que eu seja a discórdia e o mundo perto dos “seus jovens”, testando-os, abrindo-lhes os olhos sobre as caveiras que o mundo pode oferecer. E quem sabe assim, eles não passam por um belo de um laboratório, e, se tiverem de fazer algo de errado, que seja na sua frente e se não for, que digam que fizeram. Quando estiverem lá fora, que sejam o que dizem ser aqui dentro. Permita que eu teste os “seus jovens” afim de que eles não sejam fanáticos nem religiosos, mas crentes em Cristo, pois foi isso que me foi ensinado e é isso que espero que eles sejam também!
...
(silêncio)”.

Esse assunto é meio complicado de se discorrer. Muita gente pode ser a favor ou contra, discordar ou não, ou nenhuma delas (o que é mais provável).

Estava eu em mais um dia de tédio na faculdade, pedindo para que a aula acabasse e eu voltasse para a minha casa, e meio que entro em uma discussão a respeito de Deus, dogmas, verdades, autoritarismos, crenças e descrenças. Acho muito massa essas discussões. Num sei, talvez, talvez porque isso me alimente de tal forma, mas de tal forma, que acabe me sentindo melhor.

Muitas pessoas, às vezes, fazem, talvez sem perceber, com que eu me sinta ruim, ou ser um falso crente. Eu sei que o meu jeito não é comum para uma pessoa que se diz servo de Deus. Eu sei que as coisas que digo não são convencionais para uma pessoa que se diz servo de Deus. Mas, se Ele realmente existe (e existe mesmo) me fez assim com algum propósito, este que por muito tempo indaguei como maior das incógnitas da minha vida. Hoje percebo que meu modo instigador, cara-de-pau e sem-vergonha de ser não são à toa, vejo-as como coisas boas. Desdenham-me, criticam-me, fazem bico, birra! Mas cara, eu sou assim, dane-se o que acham, sou assim e o máximo que posso fazer é melhorar e aperfeiçoar estes belos presentes divinos!

Mas voltando. O que aquele diálogo tem de coerente com o que eu estou tentando esboçar? Na verdade muita coisa. Aquilo ali foi um diálogo que tive com um tio meu que é pastor. As pessoas com certeza devem se espantar vendo o grau a que conversa chegou, um simples diálogo tomando uma proporção totalmente oposta do que foi proposto primeiramente por mim.

Acredito que é isso que falta nas pessoas, desenvoltura, vontade de dizer o que acha, pensa e sente. Estou meio que cansado de conversar com pessoas e as ver fazerem caras e bocas e quando eu peço que elas coloquem pra fora alguma forma de repreensão ou opinião contrária, elas simplesmente se calam e deixam por isso mesmo. Eu odeio esse “deixar por isso mesmo” ou “deixar levar”. Parece coisa de gente sem propósito, gente conformista que não gosta de enfrentar o pior, levar esporros ou escutar um “porra” um “caralho” um “vai tomar no cú seu filho-da-puta”. Eu amo quando escuto isso, pois para mim, pessoas irritadas são as mais sinceras do mundo depois dos bêbados!

Às vezes ligo a televisão, procuro algo de interessante na mesma, às vezes o passar de canais “cai” sem querer num desses canais sensacionalistas e religiosos! Eu paro, observo aí do nada começo a rir. Penso depois “como o ser humano se tornou patético”. Todos dizem “Jesus Cristo é caminho a verdade e a vida”, mas que vida se ninguém vive ou se propõe a viver? Esses programinhas só servem para vender suas próprias igrejas, seus cultos, modos mirabulantes de curas e maravilhas seguidos do bordão “só Jesus faz”. Penso comigo mesmo até onde vai se estender essa apatia e conformismo religioso. Ninguém critica, indaga se sente atraído por uma exegese bíblica. Deus não quer servos meramente servos. Deus quer servos, mas também servos conscientes e questionadores, conhecedores de mundo, da Bíblia, da ciência, e de outras tantas verdades que O mesmo nos deu a capacidade de criar para quem sabe assim dar um rumo mais concreto e correto as nossas frágeis vidas!

Se necessário, entre numa igreja e seja a discórdia, provoque as pessoas não para o mau, mas para que aconteça nelas uma metanóia (renovação da mente), uma conversão (mudança de caminho), uma reviravolta, uma inquietação, para que elas se desprendam da religiosidade, das “rosas de saron”, “dos papas”, “dos óleos do espírito”, “ das sessões de descarrego”. Deus não precisa de nada disso. Nem Ele nem ninguém!

Às vezes me pergunto se existe mulher para caras como eu. Sei lá, acho que sim, tento não pensar nisso, pensar é desejar, e o desejo recorda a ansiedade e a ansiedade nada mais é do que a vontade incessante de ter algo e não saber quando! Apenas tento não pensar, me preocupando apenas com o que se deve preocupar.

Deus não deseja muito de você ou de mim, apenas deseja que você seja humilde o suficiente e acredite Nele, e deixe assim que Ele possa agir em sua vida!

Por mais estranho que possa imaginar, eu O deixo agir na minha. E por mais estranho ainda que se possa imaginar, se eu permiti logo eu, essa porra louca que sou, porque você também não pode? Deus em toda sua essência é sabedoria e vivência. Seja sábio e viva-O.






Obs.: Vejam bem não estou aqui fazendo apologia contrária a instituições eclesiásticas, ou como preferirem chamá-las, até porque seria contraditório para mim ser contrário a elas sendo que me sinto muito a vontade estando na igreja! Existem igrejas e igrejas, não me pergunte quais são essas igrejas, pois eu também não sei! Tudo depende de como você faz o seu próprio culto e do seu discernimento.

5 comentários:

Víctor Hugo disse...

demoro a postar mas volto spirado ein??
muitobom o texto... realment a apatia religiosa e algo crescente...principalmente dentre os desprovidos de embasamento...(sem qrer criticar...ja criticandu...comu uma igreja pod fucionar como sociedade?(agora igreja é impresa pai!?) puta que pario!!!! e vamu observar ql o lugar que tem mais igreja se não nas favelas e bairros de classe baixa onde a apatia não so religiosa, como social, politica esta em alta!
a igreja virou um banco...
os ricos inteligents inganam os pobres otarios!!
ja sei oq serei nu futuro incerto...ou serei politico ou serei dono de igreja... so assim enriquicerei nu Brasil!!

Buda texta excelente ...!!
adorei kra!!

Anônimo disse...

“como o ser humano se tornou patético”.

Uhu yes we have a so fucking text here guy.

Muito bom!
vc ta ficando cada vez melhor menino, suas críticas estão cada vez mais fundamentadas e isso é maravilhoso. Quanto ao texto, pow vc sabe meu ponto de vista, pois “tralhamos” bastante sobre isso.
A ironia ta ficando contextualizada e tu ficando cada vez mais maduro nas suas argüições.
E outra coisa eu mando neguim tomar banho todo dia usahsuhasuhaushaush por causa dessas coisas e outras também, mas pow isso de dogmas e proibições, rótulos e limitações são F... ogo!

ODEIO ESSA SOCIEDADE HIPÓCRITA, IDIOTAS METIDOS A “GENTE CABEÇA”... HIPÓCRITAS DE MERDA.
Beijo e teu blog ta do cacete MONGO. =]
Hugs and kiss...see ya!
Sarinha =]

Jorge Reis .. disse...

veio final ta otimo xDD
po cara tenhu teu blog add a um tempo ja xD
tenhu que termina meu conto la mais to sem tempo ate
euaheua
entao isso ai veio abraçao
se cuida xD te mais o/

Mary West disse...

Normalmente eu me coloco no piloto automatico quando ocorrem essas discursões. Sabe pq? Pq quem começa elas normalmente não aceita outras visões sobre o assunto e eu detesto gente de mente pequena.

Cleonice disse...

Suas colocações mostram bem que você é um rapaz questionador e que não aceita tudo "pronto". passamos a vida inteira cercados de pessoas e instituições que nos moldam e de uma certa forma contribuem para a formação de nosso caráter. somos o que somos, pela carga genética que carregamos e pela influência do ambiente onde crescemos. Mas somos mais... mais ... alguns percebem isso e quastionam. Como você. Não vim aqui discutir teologia, nem dogmas, apenas vim te dizer que fiquei feliz de ler seu desabafo.
"há mais coisas entre o céu e a terra que possa supor a nossa vã filosofia" - já dizia sheaskspeare.
você e todos somos a mesma essência... Deus. e isso está acima de igrejas.

Namasté.