segunda-feira, 16 de junho de 2008

"Transforme. Ame. Sirva. Insista"

Não existe ser humano perfeitamente amadurecido. Existe ser humano em processo de amadurecimento. Processo constante.

Segundo o livro de Filipenses no capítulo um versículo seis, diz o seguinte: “Estou plenamente certo de que aquele que começou a boa obra em vós há de completá-la até o dia de Cristo Jesus.” Isso se completa em Efésios capítulo quatro versículo trinta e dois: “Com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho de seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo.”.

O amadurecimento consiste em processos, a começar pela transformação, como diz em Romanos, capítulo doze versículo um: “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus que apresenteis o vosso corpo como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o nosso culto racional.” Ou seja, a transformação dá-se através de processos e entrega negação de si mesmo, pois o ser em si é próprio culto.

O segundo processo é a confrontação do amor. Existe diferença entre amor e paixão. A paixão requer, necessita de estopins elétricos, fogos de artifícios, atitudes impulsivas, não pensadas. O amor é pleno, sadio passivo, inteligente. Em I Coríntios capítulo treze, o amor é uma eterna estrada com diretrizes e comportamentos altruístas, racionais. Processos constantes de amadurecimento.

No amor, o tempo é um laboratório, em forma de teste. É preciso vivê-lo, pois no mesmo tudo gira em torno de atitudes pensadas, não impulsivas e doentias. “O amor é paciente, o amor não se exaspera. Tudo sofre tudo crê, tudo espera.” Não se restringe as concepções pobres e superficiais restritas apenas a casais enamorados.

O terceiro processo está em Isaías capítulo quarenta e dois. Todo o capítulo implica em que o ser humano saiba ser servo, ser submisso em respeito, e a também saber valorizar este posto de servo. Destaque para os versículos seis e sete, que dizem: “Eu, o Senhor, te chamei em justiça, te pegarei pela mão, e te guardarei, e te farei mediador da aliança com o povo e luz para os gentios; para abrires os olhos dos cegos, para tirares da prisão o cativo e do cárcere, os que jazem nas trevas.”.

Faz jus ao testemunho que cada um deve fazer.

No entanto, todo cuidado é pouco para não se ostentar algo que cada ser foi predestinado a ser. Ser servo não implica em ser um vassalo de Deus. Ser servo implica em ser o melhor o tempo todo, adquirir conhecimento, passar por situações adversas, de necessidade, os desertos da vida, que vem seguidos de uma leve chuva fazendo brotar lindos oásis.

Não é fácil, ninguém disse que seria, quem disse mentiu e tentou criar um Deus e uma situação a lá contos de fadas com direito a gênio da lâmpada mágica. Servir é ir para o matadouro todos os dias em prol de um objetivo que é o CÉU. Parece que todos os dias entramos em uma guerra em que a cada milésimo se decide quem somos, o que devemos ser e o que queremos ser.

Por ultimo, o quarto processo, o da saturação. Saturar a sociedade, não de forma maçante, antipática. A saturação deve ser influenciadora, empática e agradável. Em I Reis capítulo dois, do versículo quinze ao vinte e dois, o profeta Eliseu diz que o ser dever adotar uma postura de constante instrumento de Deus. Cada um em sua particularidade é um instrumento, instrumento este que tem vontade própria, que foi escolhido para ser, mas que por conta do livre arbítrio decide se quer ou não ser! Instrumentos em constante processo de amadurecimento até o dia de Cristo.

O servo de Cristo deve ser um servo de vanguarda, nunca estático. Deve estar inserido no mundo mas não ser do mundo, se co-relacionar com diferentes pessoas, tribos, mundos, sendo sempre luz e sal. Luz para iluminar o caminho, mostrando os buracos e rachaduras e ao mesmo tempo guiando pela vereda da justiça. Ser sal para dar tempero e preservar qualquer que for a atitude ou iniciativa louvável do ser.

Fazendo cotejo, em Salmos capítulo dezenove, versículo quatorze, diz: “As palavras de meus lábios e o meditar do meu coração sejam agradáveis na Tua presença, rocha minha, redentor meu!”.

A obra não é do ser, em se tratando de forma individualista e magistral. O ser é apenas um instrumento, que volto a repetir, instrumento que decide se quer ou não ser instrumento.

Transforme. Ame. Sirva. Insista.

3 comentários:

Lima disse...

AHHHHH, MA OEEEEEE
tu tá lascado comigo...vou avacalhar é certo.irra diacho!

Mary West disse...

Amadurecer naum é´fácil e nem é algo realizado de uma hora para outra. engraçado que as vezes são pequenas atitudes sabe? Gostos pessoais, eu por exemplo, adoravaaaaa roupas meio que sensuais, agora sinto-me mais tranquila ó, naum preciso expor meu corpo p/ provar q sou bonita. Tou velha e comportada agoura.

Dayane Matos disse...

Já te disse que adoro os teus posts..
mais não custa nada escrever..
entaoo..
doreeeeeii o post!!!!
vo divulgar tah???
bjoss


Dayane*!