quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Hedonista

Ao som de "Endless, Nameless" da Nirvana




Não é pessimismo da minha parte
Ver tudo como uma grande piada
Talvez seja apenas uma forma de proteção
Ou quem sabe, forma malandra
De encarar tudo como a maior das ironias.

Dinheiro
Conforto
Amor
Querer e poder
Liberdade de ir e vir
Ser e optar simplesmente em não querer ser
Acordar
Mijar
Cagar
Trepar
Depois morrer
Apenas como mais um?

Pego-me pensando se
Fiz algum mal proveitoso
Alguma putaria que mostrasse meus hedonismos
Tratar tudo com efemeridade
Com ingratidão, seria um tanto desnecessário
Acredito que ignorar basta.

Às vezes acredito ser engraçado
Então me dou conta de que sou cético
Acredito apenas na Santíssima Trindade
Talvez encarar tudo como uma grande ironia
Dessas que confortam o coração
Logo o meu, tão insistente nas causas impossíveis
Na emoção diária
Em escalar os muros humanos.

Um toque de sadismo faria um bem danado
Daria um tempero mais sexual
Que me faria gozar eternamente
Ver então, um dia, assim por acaso...
... Teu sorriso, me dá satisfação
Uma ressaca da peste
Mas só esse sorriso
Sacia toda inconstância aqui escrita.

As coisas não são como realmente parecem ser
Olhe nas entrelinhas.

5 comentários:

bittersweet disse...

sabe, o maior dos sadismos às vezes é dá prazer a quem o quer.
e só.
na troca de fluidos as vezes perde-se a alma...

Mara disse...

depois do comentario de cima.. eu nem digo mais nada.
gostei mto do texto.. pensemos nas entrelinhas =)

Juliane Oliveira disse...

e de quem é o sorriso.
sou péssima com esse negócio de entrelinhas, a nao ser quando as 'escrevo'.

~~juh

Lua disse...

Sem palavras, é completamente sincero. Realmente adorei!


Bgs da Lua :*

Mary West disse...

Profundamente lindo.