sábado, 27 de junho de 2009

Do lado de dentro

Confesso que passei uns tempos sem conseguir produzir nada substancial. Eles têm sido corridos, nem mesmo tempo pra mim eu tenho mais. Stress atrás de stress e eu sem conseguir pensar nem mesmo executar um dos meus principais prazeres, saciar o maior dos vícios... O de ESCREVER!

Sei lá, parece que não sou mais eu mas, que também sou, entende? Ou, parece que me perdi em algum canto e deixei ali minhas inspirações, nostalgias, insights e tudo mais. Estranho mesmo, pois costumo ser “todas as emoções em um só corpo” ao mesmo tempo, mas ultimamente só tenho sido uma única, às vezes nem ela. Parece que finalmente alguma forma de ordem tem se instaurado por aqui...

Peguei-me observando certo dia alguns textos passados que havia escrito, publicados neste blog por sinal. Notei que não escrevo para ninguém nem com base em alguém ou coisa. Escrevo para mim mesmo, única e exclusivamente para mim mesmo como forma de “auto-bate-papo”. Já que não tenho com quem ser 100% do que posso expor e explodir, eu o sou neste mecanismo, que por ironia, toda vez em que exponho tal sentimento, estado ou pensamento, tais coisas não são mais minhas, mas, de quem as lê.

Mais uma vez a ironia me persegue e dão sentido as minhas contradições. Eternas contradições! Mas sabe de uma coisa, elas me fazem bem. Minhas cartas de amor são para mim mesmo, minhas cartas de desavença são uma vez e outra inspiradas em situações que a vida me coloca, mas são para mim. Meus textos com base teológica ou mesmo os críticos, todos são para mim! Sou eu conversando comigo mesmo, dando vazão ao que eu acredito e acato como forma de crescimento, admoestamento.

Piva estava certo ao dizer:

vou moer teu cérebro. vou retalhar tuas
coxas imberbes e brancas.
vou dilapidar a riqueza de tua
adolescência. vou queimar teus
olhos com ferro em brasa.
vou incinerar teu coração de carne &
de tuas cinzas vou fabricar a
substância enlouquecida das
cartas de amor
.

Espero, em breve, estar de volta ao ritmo que perdera. Paz!

7 comentários:

B. disse...

Eu estou assim que nem você,as insipirações sumiram,ate eu mesma pareco que sumi.

Parece que sou tudo e o nada,é tão engraçado essa sensação.

Monique Frebell disse...

Escrever seja pra quem for, pra outros ou pra nós mesmos, tá sempre valendo, o que importa é fazer com prazer e amor. E isso vc faz...

... muito bem!

Bjão!

Biiia Barbosa. disse...

Não precisamos de inspirações para escrevermos, basta escrever o que vem do coração. Isso basta viu ? x)

Beijos. (:

[M]. Cartágenes disse...

"Coração" demais estraga, broto... Um pouco de sadismo e companhia, faz um bem danado a realidade que muitos teimam em não aceitar ou encarar!

Porque será que o nome do blog é "Seco/sarcástico Simpático"? Personalidade do dono? Também ^^!

-: Biiia Barbosa ♥ disse...

Estraga, mas ás vezes ajuda poxa.

-: Biiia Barbosa ♥ disse...

Concerteza. (:

Monique Frebell disse...

Segui o teu conselho e fiz akilo. Valeu! Hehe!

=)