domingo, 7 de fevereiro de 2010

Porque é carnaval...

Gente burra e ignorante
Intolerante, surda, arrogante e egocêntrica
Povo ruim que repete sempre os mesmos erros, e deles espera remissão ou abono das faltas
Criaturas desprezíveis e ridículas
Bichos mais do que escrotos
Piores do que os ratos que andam em silêncio, roubando comida alheia e causando doenças
Pior que os gatos que quando estão no cio fazem questão de mostrar seu prazer da libido a flor da pele
Não é a primeira vez que vem uma queda
Não é a primeira vez que alguém se levanta e põe-se a falar
Mesmo que esse alguém também seja tão ruim e baixo como todos os seus outros semelhantes
Alguns até idolatram e tem como hino “Ideologia, eu quero uma para viver”
E que conceito, que frase mais vazia
Faz jus a um povo vazio, faz jus a um povo silencioso, que acata o silêncio e sorrateiro do seu prazer nas sombras e brechas dos muros
Que procura ir para as sombras praticar o que ninguém vê
Porque não trazes para a luz aquilo que te contamina e vamos todos juntos terminar de contaminar o que está morrendo, como um ser em estado terminal de tanto vício em drogas injetáveis
Venha e deite-se com a mulher ou homem mais imundo, porque o povo que se compraza nos dias em que a festa da carne é maior e cobiçada, essa sim parece ser a mais esperada
O mais ridículo é que alguns ainda pedem proteção do Deus
Antes esse mesmo Deus deixar que alguém lhes roube a vida para que possa cessar tanta ignorância
E falo para mim mesmo, já que confesso ser o pior dos piores.

Povo ruim, povo tão escorregadio quanto uma lesma
Povo tão vazio quanto o vácuo
Povo de valores controversos
De prioridades mortas
Que cultuam um deus crucificado e sua mãe a quem atribuem divindade
As suas simpatias de todo dia, seja para o prazer da sua própria carne ou o deleite de ter o seu desejo imediatista respondido
Povo arrogante que não percebe que esse mesmo Deus agora vive?
E o seu Santo Espírito berra com a sabedoria implorando para que alguém, mesmo que errado e torto, possa escutar?
E o que escutar?
Escutar a repreensão, escutar a palavra de amor, escutar a palavra que faça lembrar qual a real essência e que o agora é tão pequeno quanto o que é eterno
O eterno que ninguém sabe quão magnífico seja
Nem mesmo eu
Nem mesmo eu em toda minha “finitude” infantil.

Será que alguém irá escutar?
Será que existe correção para o incorrigível e para o que a descrença tomou conta?
Será que os meus olhos vão poder ver a mim mesmo não possuindo mais essa matéria pequena e deteriorante e poder finalmente contemplar o que os céus por inteiro clamam para que alguém escute e se salve enquanto ainda há tempo?
Ainda há muito pelo que correr e pelo que morrer...
Todos querem respirar tanto carbono, tanto oxigênio e todo hélio possível
E, rir de qualquer coisa, como se algo realmente tivesse graça
Toda construção intelecto e conceitual não vale de nada
Tudo irá morrer um dia, alguns persistem porque são valorosas
Algumas poucas são inspiradas por algo eterno
Outras são inspiradas na própria natureza que por si só é uma criação
Como pode a criação adorar o que ela mesma cria?
Antes a criatura adorar quem as criou e não o inverso
Antes eu enquanto piada universal
Antes eu enquanto ser menor se comparado aos demais, pedir misericórdia dessa matéria pequena e falha, das várias perdas e testemunhos não dados
... Pedir misericórdia pelos tantos que já morreram e morrerão por minha causa
Quanto mais eu morrer por minha própria culpa
E quem sou eu e quanto mais eu? Prefiro ser menos daquilo que tenho como valor aqui dentro, pois todo esse valor me cega, todo esse valor me afoga, todo esse valor me mata e me distancia do alvo
E qual alvo? Que alvo tenho para pôr numa praça e clamar para que acertem?
Antes mesmo que acertem, antes mesmo que se salvem e possam tirar as escamas dos olhos
Assumir naturezas mais prudentes e dar adeus tanta prepotência e burrice
A tanto vazio, a tanta idiotice
A mim mesmo que preciso ser mais coeso e sensato, mais corajoso e verdadeiro, menos opaco e mais vívido.

[...]

Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, e que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus.
Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça;
Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra
.” - II Timóteo 3:14-17

4 comentários:

Mary Carvalho disse...

Seu blog é bom, mas não gostei do post.
Nada contra ter sua opinião a respeito das pessoas e o que elas fazem, mas me pareceu uma preocupação boba se importar com isso as xingando a plenos pulmões de burros e ignorantes. Ignorante é aquele que não sabe alguma coisa, e o Deus que vc comenta no post não abomina os ignorantes. Mesmo tentando se incluir o tempo inteiro dentro da massa de "idiotas", pareceu sempre a visão de alguém com certa prepotência ao teclar as coisas que pensa. Contraditória também sua tentativa de fazer com as pessoas percebam Deus como palavra de amor, se utilizando de palavras amargas.

Enfim, foi apenas uma opinião.

Tem horas que fel demais cansa até os mais amargos.

Abraços.

[M]. Atahualpa disse...

uhsahasushua, na hr broto, tem quem concorde ou não, mas... cmo é que eu posso explicar isso, já vivi tanta coisa e vi tanta coisa, q certos posicionamentos causam mesmo essa reação, no caso, a sua. não é a primeira nem a ultima vez que isso acontece, mas de amargo não tem nada, é apenas um critica bem forte de alguém humano para seus semelhantes... enfim, valeu por voltar aqui!

paz

[M]. Atahualpa disse...

... ou tu achas que o nome do blog é "Seco/sarcástico Simpático" à toa?

Paz aê ^^

Abiodun Dark disse...

texto nervoso!

Mas aí, só botando uma idéia aqui: Aonde está a babilônia? onde que o caos se encontra hoje?

massificação de consciência e culpa sempre vão existir, mas quem tem "chapéu" não tem "cabeça" e quem tem "cabeça" não tem "chapéu".

o povo(incluindo todos nós) ainda tem um monte de fios de marionete^^.

abração, brother.