domingo, 25 de julho de 2010

Bobo é pouco

Ao som de Amor Barato do Chico Buarque

 

Certa vez disse por aqui que não gosto muito de postar textos que façam referência ao dito amor ou algo parecido. Mas, como tudo tem um “mas”, um “entretanto”, “por tanto” e “toda via”, esse tal dito amor nos persegue em qualquer coisa que interesse ou não.

Tava lendo dia desses o blog Badulaques. A Mary Carvalho, mocinha que nos altos dos seus 18 aninhos se mostra ter um bom gosto musical e adoração confessa pelo Alceu Valença. Sabe Deus o porquê, mas, música não tem sentido mesmo. É coisa pra se viajar e sentir. Ela postou três textos seguidos sobre tal de Roll Musical. Essa temática já é abordada naturalmente por aqui em trilhas sonoras e trechos de musicas, ditos de músicos e etc., tudo em prol da contextualização e comungar alguma lombra.

Pois bem, comecei o texto falando sobre amor, e, toda música que se preze fala com uma pitada sobre o assunto. O lance a meu ver tá mais em como se fala, como se aborda. Pode ser da maneira mais escancarada, a exemplo o estilo da 3NaMassa onde os temas abordados são eróticos e desilusões amorosas que se resolvem num bacanal, ou à lá dor de cotovelo como a Los Hermanos e a invejável maciez e suavidade do Chico Buarque e companhia (diga-se de passagem os seus parceiros Vinícius, Tom e cambada...).

Amor é consequência uma briga uma zanga uma constante ação contratual entre pessoas a fim de que algo dê certo, e, se ele realmente existir penso que não se daria o trabalho de ser resumido ou contentado em sentimentos. Nessas horas eu penso que Não Deveria se Chamar Amor do Paulinho Moska faz muito sentido. Ou o trecho do Jobim ao cantar Corcovado, onde diz mais ou menos assim: “E eu que era triste descrente deste mundo, ao encontrar você eu conheci o que é felicidade meu amor”. Enfim, eu poderia colocar mil e uma citações.

Amor é uma lastima, amor é uma desgraça. Mas, amor é necessário, amor é compassivo e paciente já dizia a Bíblia na famosa passagem que está em I Coríntios 13. Amor é um pote de água gelada que não seca em meio ao deserto e o deserto somos nós. Amor é como berinjela que não tem gosto, porém à milanesa fica uma delícia. Amor é uma brincadeira de mau gosto, no entanto, inegavelmente viciante, irritante, constrangedor, revigorante.

Eu que sou solteiro há um ano e alguns dias, to aqui quietinho no meu cantinho observando o indo e vindo de gente correndo atrás de alguma coisa que nem elas mesmas sabem. Porque não pegar um banquinho, apoiar o cotovelo no joelho, a mão no queixo, dar aquele sorrisinho de canto de boca e dizer: “Ô vida bandida, mas é tão bandida que se torna divertida”?

Pouco me importa se faz sentido ou não, Lenine está certo ao dizer “Dentro do meu peito um desejo martelo, uma vontade bigorna”. E como não poderia faltar, eu também tenho as minhas mais mais do Rol Musical. Como o assunto aqui é o tal amor, cinco marcaram momentos intrigantes:

  • 1°) Tom Jobim e Vinícius de Moraes – Chega de Saudade (Cantarolava essa música para uma das minhas ex);
  • 2°) Vinícius de Moraes – Pela Luz dos Olhos Teus (Acho que não tem muito o que explicar, né?);
  • 3°) Cássia Eller – Luz dos Olhos (Na verdade a música é do Nando Reis, mas, como toda música dele, essa fica melhor interpretada pelos outros do que por ele. Pois bem, se algum dia eu casar quem sabe essa pode ser a música durante a recepção);
  • 4°) Lenine – Ultimo Pôr do Sol (Música-tema do fim do primeiro namoro);
  • 5°) Paulinho Moska – A Seta e o Alvo (Música-tema do fim do segundo namoro).

E sim, finalmente posso dizer, eu sou tosco para caralho. Com toda a intensidade que o palavrão tem, sou tosco mesmo, assumo com todo gosto porque quem não é? Uns mais outros menos, mas todo mundo é piegas nessa vida de merda.

Enfim, pensamentos sobre o tema não tem fim, entretanto, fica o meu por aqui. Obrigado a você que chegou até aqui nessa leitura árdua e chata. Paz e volte sempre! ^^

Ahhhh Dindi

3 comentários:

Mary Carvalho disse...

Primeiramente, agradeço pela citação! ^^
Bacana admitir características próprias, mesmo que muitos as vejam com olhar atravessado. Temos que ser nós mesmos em todas as situações, e vc consegue fazer isso muito bem. As músicas listadas por vc também são muito boas, e melhor ainda o fato de elas terem um sentido especial pra ti. =)
Gostei do post!
Até.

Casa de Mariah disse...

quanto mais sensível estamos, melhor as musicas nos "tocam".

Rose disse...

Acho que eu vou pegar o meu banquinho, vou apoiar meu braço no joelho e segurar meu queixo, só vendo o vai-e-vem de pessoas que não sabem o que querem, assim como você! kkkkk
Foi muito bom!
Não sei se lembra de mim, mas eu estava com o pastor Willeam e Angela, no culto do Pr. Oliveira.
Gostei do seu blog.
Até a próxima.